Quinta-feira, 9 de Abril de 2009
Um Novo Amanhecer

amigos,

brevemente este blog terá uma surpresa a anunciar.

um novo amanhecer está para vir.

 

com muita ou pouca audiência,há a necessidade de passar a palavra.

palavras que vão entoar e vão marcar que está desse lado.

 

De facto a determinação e a fé,movem montanhas,quando parecia que o sonho estava a ficar adormecido ,eis que surgem forças que fazem este projecto avançar .

 

Não desistam,

Tenham fé e mostrem sempre a vossa garra

é ela que vos mantém á tona !

 

 


sinto-me: Iluminada !

publicado por diariodeuminfernoconjugal às 10:32
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 8 de Outubro de 2008
Onde encomendar o seu livro:

 

___No Site da Editora  BIBLIOTECA 24X7 :___

 

http://www.biblioteca24x7.com.br 

 

_AJUDE A DIVULGAR_

____ESTE BLOG_____

 

__DIVULGUE ESTE__

______ LIVRO______

 

_AJUDE AS VITIMAS_

___DA VIOLÊNCIA___

____DOMÉSTICA____

__ANTES QUE SEJA_

__TARDE DEMAIS___


sinto-me: entusiasmada com este projecto

publicado por diariodeuminfernoconjugal às 14:37
link do post | comentar | favorito
|

Definição de Violência Doméstica by Google

Violência doméstica é a violência, explícita ou velada, praticada dentro de casa, usualmente entre parentes (marido e mulher). Inclui diversas práticas, como a violência e o abuso sexual contra as crianças, violência contra a mulher e contra o homem, maus-tratos contra idosos, e a violência sexual contra o parceiro.

Pode ser dividida em violência física — quando envolve agressão directa, contra pessoas queridas do agredido ou destruição de objectos e pertences do mesmo; violência psicológica — quando envolve agressão verbal, ameaças, gestos e posturas agressivas; e violência sócio-económica, quando envolve o controle da vida social da vítima ou de seus recursos económicos. Também alguns consideram violência doméstica o abandono e a negligência quanto a crianças, parceiros ou idosos.

Estatisticamente a violência contra a mulher é muito maior do que a contra o homem. Em geral os homens que batem nas mulheres o fazem entre quatro paredes, para que não sejam vistos por parentes, amigos, familiares e colegas do trabalho. A maioria dos casos de violência doméstica são classes financeiras mais baixas,[carece de fontes?] a classe média e a alta também tem casos, mas as mulheres denunciam menos por vergonha e medo de se exporem e a sua família.

A violência praticada contra o homem também existe, mas o homem tende a esconder mais por vergonha. Pode ter como agente tanto a própria mulher quanto parentes ou amigos, convencidos a espancar ou humilhar o companheiro. Também existem casos em que o homem é pego de surpresa, por exemplo, enquanto dorme.

É mais frequente o uso do termo "violência doméstica" para indicar a violência contra parceiros, contra a mulher, contra o homem. A expressão substitui outras como "violência contra a mulher". Também existem as expressões "violência no relaciomento", "violência conjugal" e "violência intra-familiar".

 Causas e motivos

A violência doméstica conjugal é causada especificamente pela escolha de um parceiro agir de forma agressiva com relação ao outro. Uma série de fatores pode levar a essa decisão, mas apenas no caso de compulsão incontrolável é que esses fatores podem eliminar a possibilidade de mudança de comportamento do agressor.

Note que o poder num relacionamento envolve geralmente a percepção. Uma pessoa pode se considerar como subjugada no relacionamento, enquanto que um observador menos envolvido pode discordar disso.

Muitos casos de violência doméstica encontram-se associados ao consumo de álcool, pois a bebida pode tornar a pessoa mais agressiva. Nesses casos o agressor pode apresentar inclusive um comportamento absolutamente normal e até mesmo "amável" enquanto sóbrio, o que pode dificultar a decisão da parceiro em denunciá-lo.

 Ciclo de violência

Frequentemente, o termo é usado para descrever a violência específica e os incidentes de abuso explícito; as definições legais tendem a tomar esta perspectiva. Entretanto, quando comportamentos violentos e abusivos surgem num relacionamento, os efeitos desses comportamentos continuam mesmo após os atos em si. Profissionais da lei costumam se referir à violência doméstica como um padrão de comportamentos, incluindo aqueles citados anteriormente.

Lenore Walker apresentou um modelo de "Ciclo de Violência" que consiste de três fases:

  • Lua de mel: caracterizada por afeição, reconciliação, e aparente fim da violência.
  • Surgimento da tensão: caracterizada por pouca comunicação, tensão, medo de causar explosões de violência.
  • acção: caracterizada por explosões de violência, abusos.

Embora seja fácil ver explosões de violência na fase da acção, mesmo comportamentos carinhosos, típicos da fase lua-de-mel, servem para perpetuar o abuso.

Gênero

É impossível discutir a violência doméstica sem discutir os papéis de género, e se eles têm ou não têm impacto nessa violência. Algumas vezes a discussão de género pode encobrir qualquer outro tópico, em razão do grau de emoção que lhe é inerente.

Quando as mulheres passaram a reclamar por seus direitos, maior atenção passou a ser dada com relação à violência doméstica, e hoje o movimento feminista tem como uma de suas principais metas a luta para eliminar esse tipo de violência. O primeiro abrigo para mulheres violentadas foi fundado por Erin Pizzey, nas proximidades de Londres, Inglaterra. Isso aconteceu na década de 1960. Pizzey fez certas críticas a linhas do movimento feminista, afirmando que a violência doméstica nada tinha a ver com o patriarcado, sendo praticada contra vítimas vulneráveis independentemente do sexo.

Ver também



publicado por diariodeuminfernoconjugal às 13:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 2 de Outubro de 2008
Qualquer dúvida... pergunte

 

 
Se precisar de qualquer esclarecimento, não hesite. Pergunte que, se eu puder, esclarecerei
 

sinto-me: Concentrada

publicado por diariodeuminfernoconjugal às 14:48
link do post | comentar | favorito
|

A Ana perguntou e eu respondi

 

 
25-9
A Ana perguntou e eu respondi
Bom dia, vi na internet que escreveu o livro "Diário de um Inferno Conjugal", e gostava de saber onde posso comprá-lo, pois passei durante 7/8 anos por situação semelhante, e após vários anos de bastantes maus tratos, neste momento, desde junho passado, que vivo sozinha num T1 com a minha filha de 3 anos, com algumas dificuldades é certo, mas um pouco mais em paz, só que o meu ainda marido não me larga de maneira nenhuma, anda sempre a pressionar-me para voltar, mas eu não quero voltar ao mesmo, e depois começa com ameaças e coisas para me voltar a chatear a voltar para casa e para ele, não consigo ter sossego de maneira nenhuma, mas ao menos eu e a minha filha conseguimos dormir a noite inteira.
Gostaria de poder ir trocando impressões consigo, pois é uma pessoa que compreende bem do que falo.
obrigada,
             Ana
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Bom dia, Ana.
 
O Livro estará à venda na Livraria Portugal, na Rua do Carmo e no Mercado da Ribeira, no Cais do Sodré.
 Se tiver conhecimento numa livraria mais próxima de si, poderá pedir que encomendem à editora pelo site:
 
www.edimarta.pt.
 Quanto ao seu caso, resista sempre. Esse tipo de homem não muda nunca!
 Se precisar, peça ajuda à APAV. Sempre que possível, apresente queixa na polícia da sua área.
 Quando tiver meia dúzia de queixas, de preferencia, com testemunhas, vá à sua junta de freguesia e solicite
 uma consulta gratuita de aconselhamento jurídico. (Vai precisar do comprovativo de entrega do IRS, BI, cartão
 de contribuinte, recibo de ordenado e um recibo que comprove a morada). Nessa consulta, peça apoio para ir a
 tribunal pedir uma Providência Cautelar. Com isto, esse homem será proibido de a contactar e de sequer se
 aproximar de si, a menos de uma determinada distância que o Juiz indicará. Feito isto, se ele desrespeitar a
 ordem da Providência Cautelar, só terá de chamar a polícia para que ele seja detido.


publicado por diariodeuminfernoconjugal às 14:45
link do post | comentar | favorito
|

Diário de um Inferno Conjugal no Jornal de Noticias

 

Terça-feira, 30 de Setembro de 2008
Diário de um Inferno Conjugal no Jornal de Notícias
 
Vítima descreve inferno conjugal em diário
Abusos começaram na gravidez e duraram quatro anos até a mãe a ter levado à APAV e a polícia ter feito os autos
2008-09-25
texto escrito pela jornalista ALEXANDRA MARQUES

Após um ano de vida em comum, aos 24 anos casou com um homem que bebia, mas que não era violento. Tudo mudou com o nascimento do filho e é descrito no livro publicado esta semana: "Diário de um Inferno Conjugal".
Tem hoje 37 anos e diz ser feliz. Para trás ficaram quatro anos de uma relação conturbada com um marido alcoólico que a ofendia e lhe batia constantemente.
Durante os 12 meses em que viveram juntos e até o filho nascer, no início de 1996 (um ano depois do enlace), o parceiro já bebia, "mas não era agressivo, nem mostrava ser ciumento", diz. Consultava, aliás, uma psiquiatra por causa das dependências que tinha.
Explica a mudança de atitude do marido, talvez por julgar que tendo um filho dele, "eu lhe pertencia, já não ia fugir dele e podia fazer de mim o que quisesse".
A psiquiatra alegava que o álcool e os sucessivos desempregos do marido potenciavam a violência, desculpabilizando assim, considera, o comportamento abusivo do parceiro.
A técnica tinha-a aconselhado a engravidar porque ao ser pai, o parceiro tornar-se-ia mais responsável e menos dado à bebida. Não resultou. "A minha gravidez foi um pesadelo. Esteve quase sempre embriagado". Anos depois, a técnica dizia-lhe não ser obrigada a ter relações com o marido.
Quando as ofensas verbais e a violência psicológica já eram uma realidade, começou a escrever um diário para desabafar o que não contava a mais ninguém.
Deixara de ter contacto com as amigas de solteira e as saídas eram sempre para casa dos sogros ou de amigos destes: "Ficamos sem amigos e nem nos damos conta. Só estamos com os deles".
Ao contar à mãe o inferno em que vivia, ela levou-a à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) - onde lhe pediram para arranjar provas contra o agressor.
Passou a chamar a polícia sempre que havia desacatos dentro de casa. Muitas vezes pediu ajuda na escada do prédio, mas nenhuma vizinha lhe acudiu. Ao contrário dos agentes da PSP, da Amadora, que diz terem sido sempre muito prestáveis e protectores.
Contudo, a chamada da polícia acentuava a ira do parceiro. "Tinha de me fechar no quarto para chamar a polícia pelo telemóvel e só saia quando eles chegavam".
Só ao fim de quatro anos(até 2000) ganhou coragem para bater com a porta. Quando na APAV, lhe garantiram que ninguém lhe tiraria o filho, se deixasse o marido.
Depois do marido perceber que tinha sido denunciado, a situação ficou mais difícil. "Foi um pesadelo" que admite necessário para poder provar que era vítima de maus tratos conjugais.
Quando soube que o marido ia ter alta do hospital, saiu de casa e foi viver com a mãe: "Foi um alívio". Depois, a madrinha emprestou-lhe dinheiro para comprar uma casa. "As mulheres da minha família foram a minha rede de apoio", reconhece.
O divórcio saiu no início de 2002 e hoje diz não compreender porque passou por tudo aquilo. A ideia de escrever o livro surgiu-lhe a meio da noite em Março deste ano, "como um chamamento". "Achei que devia escrevê-lo para ajudar nem que seja apenas uma mulher a libertar-se", justifica.

Comentar
Comentários
4 Comentários:
mariacosta
25.09.200812:20
Portugal - Porto
Minhas queridas, Também eu me pergunto porquê, porquê tantas de nós acham que para sermos felizes temos que sofrer tanto? Tantas achamos que não somos dignas de respeito, de carinho e amor? Porquê? Sofrer agressões, insultos, tormentos, ciúmes infundados, vexames, etc, tudo em nome de um "chamado" amor? Sim porque amor não tem nada a ver com isto! Amor é respeito, amor é apoio de famíla, é carinho do agente da autoridade que sente vergonha do homem que faz isto, e sabe que não pode impedir totalmente. Histórias destas há-as aos milhares, na minha casa.., da casa de muitas mulheres em Portugal, milhões de mulheres no mundo sofrem amordaçadas.. A vós vizinhos, peço a vossa ajuda, o vosso olhar, o vosso telefonema para as autoridades.. Quando nos virem a ser agredidas, não voltem o rosto no sentido oposto, ajudem por favor!! O meu obrigada a todos os que intervieram e me defenderam e que se calhar mal agradeci por medo de mais represálias, OBRIGADA!! A Vós atormentadas digo que passa por ti acabar com isto, por ti, pelo teu filho, pela tua filha! Que sentirás e lhe dirás quando o namorado a agredir pela 1ª vez? - "O tempo tudo cura?" A mim bastou-me idealizar a minha Princesa nas mãos de um Animal como o pai dela!.. depois se não servia para ela, compreendi que também não devia servir para mim.. Não desistam, minhas queridas, mas vale não ser amada do que ser "amada" de certas formas.. Bem haja a as famílias que apoiam, a minha, a dela.. e todas as outras que mesmo não tendo laços de sangue se importam, nem que seja só um pouquinho.. Obrigada a todos, pela minha filhota e por mim! Não desistam minhas queridas, Um beijo desta irmã d'armas.. Maria



JORGEMIGUEL
25.09.200811:11
United Kingdom
Quando deixa de haver harmonia familiar e o desejo sincero de remover obstaculos entre o casal e ambos se entregam a decisoes de extra-conjugais, medicos, psiquiatras, amigos, quasi sempre pode suceder uma situacao semelhante. So faltou mesmo padre da freguesia... E agora, pergunto eu, que vai ser da crianca concebida para colmatar a brecha detectada. Vai continuar a ser o "rato de laboratorio" em que a conceberam...? Hoje, livre do pesadelo sera que nao tem alteracoes comportamentais derivadas dessa situacao? Quem se importa? A ideia de escrever um livro foi a meu ver uma boa ideia. Infelizmente, ele apenas vai servir para meia duzia de pessoas fazerem dele tese, apontarem como estudo, mas de facto o que valeu, foi a ajuda para arranjar uma casa e sair daquele inferno...de resto...e cootidiano da vida. Va la, vou dar alento a umas quantas senhoras...A MULHER QUE NAO TEM SORTE COM OS HOMENS, NAO SABE A SORTE QUE TEM...aproveitem!!! Jorge Miguel, Londres, 25 de Setembro de 2008



carloscostaribeiro
25.09.200809:21
Portugal - Porto
Mais um livro,entre tantos que são publicados,este trata assuntos sérios e contraditórios.Ficção e realidade,poderia ser o nome do livro.FICÇÃO,porque descreve situações dificeis de acontecer todas á mesma pessoa,tais como:insistência na aceitação da infelicidade,psiquiatra que desculpa o agressor,tecnica que aconselha o desaconselhavel,vizinhos que evitam o apoio á vitima,mais umas quantas situações de dificil compreensão como seja a intervenção sempre "simpatica" da Policia mas de resultados nulos,etc.,bem sei que posso estar a divagar,porque tudo isto infelizmente é REALIDADE,embora continuando a divagar,acho que é muita coincidência de factos no mesmo caso.De qualquer modo o seu conteudo é de louvar no minimo por o alertar de consciencias para a ajuda ao próximo.



hps
25.09.200801:04
Portugal
que todas as mulheres que sao vitimas ponham os olhos neste exemplo e sigam-no!!! so nao entendo uma coisa: como pode uma tecnica aconselhar alguem a engravidar quando se vive um drama derivado ao alcolismo? em que ê que ser pai altera o estado caotico que se esta a viver? o mais certo ê a pessoa piorar, uma vez que ser pai implica ser responsavel, ter responsabilidade e autonomia para cuidar de uma criança e tambem de si proprio! mas questoes a parte... parabens a esta mulher por ter superado todos estes traumas e ser feliz hoje em dia!!!!

sinto-me:

publicado por diariodeuminfernoconjugal às 14:42
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

Um Novo Amanhecer

Onde encomendar o seu liv...

Definição de Violência Do...

Qualquer dúvida... pergun...

A Ana perguntou e eu resp...

Diário de um Inferno Conj...

arquivos

Abril 2009

Outubro 2008

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds